Seguidores

sábado, 29 de junho de 2013

Diários de uma Tia

A Fase do não de uma criança é memorável:

-Você é o Homem da Capa!- Diz o pai embrulhando o filho na toalha
NÃO!- Responde a criança.

-Você tá peladão!
-NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÕ!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Acho que não dá para transmitir a graça do momento, mas garanto que se vocês tivessem assistido a luta que foi colocar a roupa no menino vocês entenderiam. O garoto cismou de ficar na janela olhando os carros e o pai mandava ele gritar "gatinho", "cachorro", "papai","vovó", "vovô" "tia aleska". A muito custo tiramos Átila da janela e o vestimos. Enquanto isso, ele gritava uns nãos sem que nem pra quê.

Senti vontade de registrar o momento apenas, não precisam comentar. Amanhã devo postar algo mais interessante. Bom domingo a todos!

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Parabéns Carlito!

Hoje dia 26 de junho faz 25 anos que este carioca chamado Carlos Pinho nasceu. Carlos Pinho é historiador em formação, poeta e jornalista. Com tanta coisa em seu currículo é de se admirar que seu nome não tenha virado nome de rua.

Dono do blog "A notícia no Divã", Carlos gosta de discutir atualidades e notícias com seu olhar de historiador. Além disso tudo, ele é o melhor amigo desta menina cheia de ideias que lhes escreve. Ele havia me pedido um senhor recado no facebook, mas resolvi fazer uma surpresa a ele por aqui, então lá vai um "arquivo confidencial" completo para massagear o ego do rapaz:

"Conheci o Carlos no início da faculdade, quer dizer no primeiro período porém já era quase novembro. Estávamos na xerox e eu caçava uma companhia para andar até o ponto de ônibus, pois estudava à noite. Lembro que ele ía pegar o ônibus na direção oposta mas mesmo assim resolveu me acompanhar. No caminho descobri que ele era poeta e que também fazia sambas enredo. Lembro até hoje da cara de espanto que ele fez quando dei um beijinho no rosto dele em agradecimento, antes de subir no busão. Tinha tido uma ótima impressão dele, pois cavalheirismo tem sido bem raro nos dias de hoje.

Engraçado é que a amizade só foi frutificar no segundo período quando me aproximei de um grupinho com quem ele costumava falar . Acho que me enturmei mais por causa das câmeras escondidas que eu tirava do pessoal, tipo essa aí:
 Mas depois que peguei intimidade, vi que o Carlito era bobo pra caramba. Ele contava umas mentiras pra gente que quase fizeram a Natasha dar uma bolsada nele em frente ao metrô -que aliais era nossa parada favorita, apesar de sempre nos tornar alvos dos pedintes e moradores de rua.  De início sempre caíamos nas pegadinhas dele. Só que quando ele jogou o famoso "caô" sobre a morte de Sócrates, passamos a entender que devíamos ficar atentas para não cair em pegadinhas. Até hoje ele reclama que eu e Paty já começamos a rir antes dele terminar a frase, mas é que já identificamos o tom que ele usa para introduzir as pérolas carlianas.

Além do bom humor que resiste a qualquer temporal e da gentileza, Carlos é muito criativo. Nós dois fizemos juntos três sambas hilários (Samurai da avenida Brasil, Vampiro Carioca e Samba do Jiló) e concebemos o antigo blog Folhetim Utopia, que tinha a proposta de ser um jornal feito do povo para o povo. Sinto saudade dessa época em que tínhamos muitos ideais e invenções malucas, mas a hora de ficar responsável pelo próprio umbigo já está chegando para mim, e pra ele já chegou há tempos. No entanto espero que você continue com esse sarcasmo bobo e tenha sempre essa presença de espírito para piadas, como daquela vez que você me disse que eu era"muito agricultora" quando mencionei que queria disseminar o gérmen  de alguma ideia que tive."

Enfim Carlos, desejo que você nunca deixe de ser essa pessoa educada, engraçada, criativa e gentil. Que nas tempestades e maremotos que tiver que ultrapassar você sempre saia vencedor e de cabeça erguida, pois sei quem é esse ser humano lindo escondido aí dentro, e sei que merece muitas felicidades. Beijinhos rapaz! Fique com esta versão rimada da nossa "história" rsss.


Carlos, meu amigo,
conhecer você foi incrível.
Foi um companheiro adorável,
nessa jornada incasável
de resenhas e trabalhos,
e de estudos e sonhos.

Com você aprendi sobre política,
sobre Maquiavel,
sobre poesia,
que aprendi a colocar no papel.

Não lhe trouxe uma princesa,
como eu prometi,
e de inveja eu sofri,
da tua desenvoltura.
Será que fui uma amiga a altura?

Só sei que você foi especial.
Faltou meus aniversários,
mas me encheu de conselhos sábios,
e riu comigo das minhas esparrelas.[que foram muitas]

Companheirismo é teu segundo nome,
e por isso  desejo que o "Ôme" lá em cima
te proteja e guarde,
e que te traga felicidade!

Um grande beijo!

terça-feira, 25 de junho de 2013

Uma imagem e 140 caracteres. 12 edição.


Minha participação na Blogagem do Christian V. Louis: Ih, está chovendo!  O cabelo vai encolher, eu vou me resfriar e a blusa vai ficar transparente, mas quer saber? Tô nem aí! Vou ser feliz ok?

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Sobre a Arte de blogar.

O que leva uma pessoa a blogar? Bom, provavelmente muitas coisas, desde timidez à vontade de ser escritor. A minha eu sei que é a vontade de compartilhar e dar liberdade aos pensamentos, mas será que teria pré-requisitos para começar um blog? Será que é preciso saber ortografia? Ou ser louco por livros? Ou ter uma faculdade? Ser bem-sucedido? Ter QI elevado ou acesso a informação?

Na minha opinião, o único pré-requisito para escrever, é ter o que escrever.  Nenhum assunto é tão insignificante que não mereça um blog para se expressar, mesmo que não seja politizado, crítico ou intelectual. Toda informação é útil e pode fazer bem à outras pessoas.O objetivo do meu blog flerta com a crítica e com a intelectualidade é verdade, mas não é por isso que eu não visitaria blogs com outras intenções  ou teria preconceitos com essas pessoas, mesmo que elas não tenham um desafio intelectual em suas propostas. Aliais, acho muito lindo ver como as pessoas se apropriam da informação que encontram nos meios de comunicação e criam seu próprio olhar, mesmo que seja de forma simples.  A cultura popular sempre me atraiu mais que a cultura fechada da academia.

É por isso que não me incomodo quando os comentários em meu blog não seguem a minha expectativa. Aliais, eu nem tenho expectativas. Gosto simplesmente de provocar um pensamento ou reação nas pessoas, porque mesmo quando elas não produzem um conhecimento formal, me ajudam a crescer como pessoa e a rever meu conceitos. O único tipo de comentário que não curto é aquele que só deseja boa semana e pede retribuição da visita, esses aliais só me frustram...

Enfim, escrevi esse texto porque muitas vezes pessoas com uma posição privilegiada (quanto a educação( não tem paciência com as pessoas mais humildes, e exigem um esforço intelectual que essas não tem como dar ,muitas vezes, porque o tipo de conhecimento que elas tem está mais para o lado prático da vida do que para o abstrato. Tive um exemplo disso quando saí da manifestação (descrita no post anterior) e ouvi o vendedor de água conversar sobre política. Não é que eles saibam menos ou simplesmente seguem os "formadores de opinião da direita", eles tem o conhecimento adquirido da experiência, e por isso um
intelectualzinho bocó não é superior a ele. Se você quer começar a blogar, a primeira dica que lhe dou é abrir a cabeça e aprender a ter respeito pelos parceiros de blog.

Isso é tudo pessoal!

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Manifestação, Rio de janeiro, 20 de junho de 2013

Na terça feira, recebi um convite do blogueiro Carlos Pinho para escrever no A notícia no Divã sobre as manifestações aqui do Rio de Janeiro. Até então eu não estava empolgada para ir nas passeatas. Eu sei que é um momento histórico etc e tal, mas não curto tanto quanto meu irmão essa "vibe" de arriscar a vida pelo futuro do país. Aliais sou covarde assumida com orgulho! (risos) É melhor uma covarde viva que uma heroína morta, eu acho, mas ontem entrei na pilha dos amigos e do irmão e fui conferir a passeata para poder explicar meu ponto de vista, e dar uma cobertura dos fatos para vocês sem intervenções da grande mídia.

Bom,  lá pelas 3 da tarde meu irmão resolveu ir na passeata de novo. Ele tinha ido na de segunda, que juntou mais de cem mil pessoas e falou que tinha sido muito bacana até chegar na Alerj onde a confusão começou. Fiquei animada com a descrição dele e fui. No meio do caminho ele me para e diz: "Tu tá sabendo que vai dar merda né? A Passeata vai até a prefeitura e nego vai ficar maluco quando chegar lá. Prepara-te (ele falou te prepara, mas estou respeitando a regrinha de português) para correr pela vida." Ok meu sangue gelou confesso, mas eu estava decidida e pensei "Deus eu sei que estou fazendo a coisa certa então me protege aí!".

Enfim, a coisa só ficou mais tensa depois desse aviso. Quando saltamos do ônibus para pegar o trem já começou a confusão. Várias pessoas saíram correndo do trem porque ele estava pegando fogo. Já saíram com cara pintada de verde e amarelo xingando a Supervia e dizendo que ela era a vergonha do Brasil na estação de Madureira (empresa que cuida dos trens e metrôs do Rio.) Até acho que eles tinha razão sabe? Quantas vezes não vi gente da empresa empurrando as pessoas pra dentro do trem para poder fechar as portas? Sem falar do que aconteceu há alguns anos de passageiros levarem chicotadas. Olha a foto do vagão em chamas:
Confesso que fiquei meio desconfiada. Das duas uma: ou alguém estourou uma bomba dentro do trem ou boicotaram o veículo para impedir os manifestantes de chegarem no centro. Quando o próximo trem não parou repeti isso na minha cabeça, mas não demorou muito e todos conseguimos entrar num vagão. A Juventude estava em polvorosa. Muitos adolescentes saíram da escola levando cartazes e gritaram palavras de ordem e o hino nacional, que eles mal sabiam cantar.

Cheguei na passeata as 17 horas. Eu tinha combinado de ir com alguns amigos, mas com o atraso do trem fiquei junto com meu irmão e o amigo dele PV, blogueiro parceiro dA menina das Ideias. Foi muito bonito ver as pessoas nos prédios jogando papel picado e assistindo a passeata:
Infelizmente a câmera do celular não captou a chuva de papel, mas ali eu vi que o trabalhador queria estar na manifestação, o que mostra que não somos mais um povo hedonista. Aliais, a maior parte das pessoas na passeata era de estudantes universitários ou secundaristas, mas vi alguns idosos corajosos depois na TV.

As palavras de ordem foram interessantes também: 
" Da copa eu abro mão, eu quero é mais dinheiro pra saúde e educação!";
"A verdade é dura, a Globo apoiou a Ditadura!";
"Sem violência!";
"Se a passagem não zerar o Rio vai Parar!";
"o nosso ato unificou intolerância é coisa de conservador";
"O povo na rua cabral a culpa é sua",
"o nosso ato unificou está na rua o povo trabalhador".

Teve outras que não estou me lembrando agora, inclusive uma interessantíssima, onde mandávamos o prefeito tomar no cu e falávamos para ele se mudar para Paris. Vi muitas pessoas usando a máscara do Anonymus e outras que pintaram-na com as cores da bandeira brasileira. Vi cover do Michael Jackson, dos incríveis e teve muita gente fazendo placas divertidas, onde os dizeres eram ortograficamente errados. Nesses pedia-se desculpas porque faltara Educação na hora de escrever.

Durante um tempo foi tudo muito legal. Pulamos, gritamos até ficarmos roucos, xingamos e nos sentimos fazendo História. Porém, como meu irmão avisara , perto da prefeitura deu merda mesmo gente! Começou uma barulhada atrás da nós de fogos de artifício, balas de borracha, bombas, morteiros e gente brigando. Não vi nada porque assim que o tumulto começou eu corri como se estivesse na maratona segurando meu irmão e o amigo dele. O carro de som que conduzia as palavras de ordem foi atacado, jogaram bomba nele e uma moça ficou ferida lá dentro.  Uns caras bombados tentaram virar o carro de som e começaram a mandar que todo mundo abaixasse as bandeiras. Sinceramente acho que foi um absurdo isso. O movimento não tinha uma liderança partidária, mas foi legal ver a esquerda se unindo. Durante a faculdade eu via PSTU, PSOl e PCdo B se digladiando nas eleições de centro acadêmico, mas lá estavam todos unidos e ajudando uns aos outros quando os infiltrados (há boatos de que era o exército, ou a polícia, ou até mesmo gente paga pela direita) começaram a bater. O carro teve que acelerar e quase atropelou as pessoas que carregavam faixas de protesto.

Havia também muitos pivetinhos e adolescentes mascarados dando porretada nos manifestantes. Quando chegamos na prefeitura fomos dispersados (nós o grupo da esquerda que estávamos na comissão de frente) e ficamos procurando uns aos outros para ver se todos estavam bem. Nos aglomeramos de novo na estação do metrô do Estácio. Discutimos com o moço que vendia água questões da passeata e ele nos avisou dos infiltrados. Não sei como mantivemos a calma, pois acima de nós passavam vários helicópteros, e os barulhos eram bem terríveis na direção da prefeitura. O metrô estava fechado e protegido por tapumes, mas conseguimos mais tarde entrar e saltar na Saens Peña. Achei que estaria segura lá, mas aos poucos foi juntando carros da polícia, pois havia tido outra manifestação em frente ao Maracanã.

No facebook, havia as notícias mais alarmistas possíveis, como a invasão do IFCS e da FND, dois prédios da UFRJ no centro, mas os dois só serviram de abrigo para estudantes que fugiam da repressão policial que também ficou descontrolada. Há vídeos no referido site  mostrando isso. Foi uma pena como tudo acabou, teria sido legal protestar pacificamente em frente a prefeitura e conseguir algum diálogo com os dirigentes. Outra coisa que me deixou alarmada foi a polícia ter atacado o hospital Sousa Aguiar por causa da entrada de manifestantes feridos.

Não vou na próxima manifestação. Vai ter uma hoje da Taquara até a Barra, e muitos shoppings, inclusive o Barra Shopping, vão fechar, porque estão prevendo o pior. Acredito que eles estejam certos sabe? As pessoas estavam muito chateadas ontem com o roubo das bandeiras(tinha bandeiras não só de partidos políticos mas de organizações estudantis como UJS, UBES, AMES KIZOMBA entre outras) e com os caras de porrete. Algumas pessoas que ouvi pelo caminho estavam chegando a conclusão de que a solução era partir pra briga também. Do jeito que estão as coisas pode ter carnificinas por aí, e isso me preocupa, afinal será que estamos caminhando para um golpe? Disseram que como as coisas estão perdendo a força em São Paulo vai melhorar no resto do país, mas ainda tem gente muito empolgada com isso por aqui. Vi uma menina no ônibus que estava fazendo planos para voltar no domingo mesmo tendo ficado bem perto da pancadaria.

Bom, isso é tudo o que me lembro de ontem, mas amanhã vou fazer uma análise sobre tudo o que está acontecendo. Vou tentar também colocar aqui mais fotos e vídeos que fiz durante a passeata. Até mais!




segunda-feira, 17 de junho de 2013

Uma Imagem e 140 caracteres. 11 edição.

Esta blogagem é iniciativa do blog Escritos Lisérgicos.
Qualquer momento ruim se desvanece quando tenho você por perto.Teu abraço exala fé, carinho, força e o incrível perfume de rosas silvestres.

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Nostalgia.

No início eu tinha medo. Ficava intimidada com aquelas paredes imensas, neoclássicas e tombadas.
Acho que isso era reflexo dos momentos de angustia intelectual que sofri, pois conforme a dificuldade foi diminuindo, fui reparando no mal-trato do prédio. 

Não demorou muito para eu ter vontade de me formar, mas diferentemente da escola, eu não deixei que essa vontade atrapalhasse meu presente. Aproveitei muitos momentos com os amigos novos que fiz. Falamos bobagens, citamos Maquiavel em vão e engolimos nossa opinião preconceituosa sobre a "Idade das trevas". Produzimos conhecimento.
 
Sem que percebêssemos fomos mudando. Nos tornamos mais elegantes ao falar e tínhamos mais conteúdo também. Todo o suor e lágrimas, sim foram muitas que derramei, se transformaram em auto-confiança e amadurecimento. Por mais que houvessem pessoas nos tentando para desistir tiramos a força lá do fundo para vencer.

Aos poucos cada um foi seguindo seu rumo e a turminha se dividiu. Fiz outras amizades, em outros horários, mas já sentia falta dos antigos.  Sem eles fico como um peixe fora dágua, fora das panelinhas. Está batendo uma solidão! 

No meio de tudo isso, me redescubro. No espelho miro uma jovem mulher e não mais a pequena adulta. É tão dificil acreditar! É como se uma parte de mim morresse, fosse dolorido, mas de alguma forma também fosse um alívio.Não sei especificar o que mudou, mas não me arrependo de ter entrado e vivido tudo isso. Foi difícil, duro, complicado, mas me fez crescer, me fez finalmente sair do casulo e entrar em equilíbrio comigo mesma.

É como se boa parte de mim finalmente achasse seu lugar. No entanto, temos uma vida inteira para enfrentar, e muitas outras coisas para mudar.  Passarei por esse processo muitas e muitas
vezes ainda?

quarta-feira, 12 de junho de 2013

BC Cartas para Julieta.

Bc do Christian V louis para o dia dos namorados:

Rio de janeiro, 12 de junho de 2013.


Cara Julieta,


Sei bem que você e sua equipe já receberam milhares de cartas vindas de todos os lugares deste mundo, e através delas ouviram muitas histórias de amor. Escrevo porque acredito que vocês, com toda essa experiência em questões afetivas, devem ter uma opinião formada sobre um determinado assunto que domina meus devaneios.

Sem querer fazer muitos rodeios para chegar ao ponto, a questão é a seguinte: alma gêmea existe? É algo que todo mundo tem, ou só meia dúzia de gatos pingados que possuem esse privilégio? Afinal, não há tantas pessoas por aí vivendo solitárias (ou cheia de gatos para compensar a falta de companhia humana)?

Entendo que às vezes não estamos preparados para receber a dádiva do amor.  O "encalhamento" é muitas vezes reflexo de uma postura defensiva, onde a pessoa desculpa o fato de estar sozinha enumerando vários defeitos que ela possui, ou atribui aos outros uma gama de características ruins por puro preconceito auto defensivo. Só que e no caso dos padres e monges budistas? Acredito que eles ajam por vocação e não se abstém simplesmente por complexos. Será que eles não tem almas gêmeas neste mundo, ou são a maior causa de encalhamento de moças, senhoras e travestis?

Ou talvez - como um amigo me disse- a princípio todo mundo combina com todo mundo, o que nos faz escolher essa ou aquela pessoa como parceiro(a) é apenas mero acaso ou gosto pessoal? E o que faz o relacionamento durar é apenas o esforço contínuo das partes interessadas? 

Espero que esteja disposta a filosofar comigo e consiga me responder em breve.
Um abraço
Alê Lemos.

domingo, 9 de junho de 2013

O dia do Amor.

Eu tinha finalmente esquecido do dia dos namorados dessa vez... 

Todo ano chegava junho e eu começava a ficar deprimida. Nunca tive a sorte de passar esse mês acompanhada, sempre estava by myself ou como dizem agora "forever alone".

Esse ano eu não estava dando importância para a data, aprendi mil e uma coisas nos últimos 2 anos e literalmente me esqueci que essa comemoração exista, apesar de meu tio ter nascido exatamente no dia 12 de junho (eu nunca lembro dos aniversários da família...)*. Infelizmente, há pessoas que ainda se sentem mal nessa época e fazem questão de te lembrar da tua solteirice, e como eu não sou exceção, fui lembrada pela minha amiga Ticiane.

Ticiane é muito divertida. A pesar de sermos diferentes, em experiências de vida (eu sou quase um bebê rss) compartilhamos o mesmo senso de humor (bobo-alegre) e as mesmas dificuldades afetivas. Não entrando muito em detalhes, Tici me perguntou se eu estava animada com a expectativa do dia dos namorados. De praxe respondi: "cara eu estou encalhada, como eu poderia curtir a data?" aí a cidadã me diz: "ah, dia dos namorados é que nem finados, você não está morta mas curte o feriado" aí é que eu vi a extensão da amargura kkkkkk mas minha tréplica foi assim: "cara mas dia dos namorados nem é feriado! Não dá pra aproveitar de forma alguma, é dia como outro qualquer".

Só espero que Tici não estivesse me passando uma cantada (risos) -é uma coisa improvável já que é da Igreja protestante- mas fiquei sinceramente com pena dela, e de todas as pessoas solteiras que ficam chupando dedo quando vêm os namorados dando amassos por aí. Por isso tive uma ideia: devíamos trocar o nome "dia dos namorados" para "Dia do Amor" assim os namorados se dariam presentes,cartões etc e as pessoas solteiras dariam para amigos, parentes etc e receberiam de alguém também. Zero carência! Uhul! Se fosse assim todo mundo poderia se sentir especial de vez em quando. O que vocês acham?







* Só dos que estão perto que lembro. Tios, primos e agregados só fico sabendo na hora.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

UMA iMAGEM E 140 CARACTERES. DÉCIMA EDIÇÃO.



Comemorando a minha volta à blogosfera, resolvi voltar a participar do projeto do parceiro Christian V Louis: Uma imagem e 140 caracteres. Tive que criar um novo Twitter para medir os caracteres usados, já que sou bem preguiçosa pra descobrir as ferramentas do Word. Não sei porque, mas dessa vez a imagem dizia um pouco sobre mim, e foi impossível não me inspirar na minha realidade para escrever. Espero que gostem!




Arrependimento, insegurança... 
como superar tudo e seguir adiante?
 De onde tirar a coragem?
 Não tenho respostas, 
mas preciso lutar por mim.


PS: Se alguém quiser meu twitter aqui está: https://twitter.com/AleskaLG

quinta-feira, 6 de junho de 2013

O jeito de andar



O andar é que nem a roupa que escolhemos usar.
 Não nos define, posto que o Eu muda constantemente.
Porém, com certeza fala sobre o psicológico das pessoas. Temporariamente.

Não sou entendida no assunto, nessa tal de psicologia,
mas se tem algo divertido para ver em shopping,
é o movimentar de pernas para lá e para cá.

Agora mesmo passa uma moça de cabeça baixa,
ombros curvados e rosto triste. Ao seu lado,
passa um sujeito animado que balança demais os braços.
Dá pra ver que um tem o mundo nas costas,
 e o outro o tem nas mãos.

 Do outro lado deste banco passa um rapaz com gingado.
Ele carrega um violão nas costas. O ritmo de suas passadas
junto com o compasso, mostram que ele ainda está vivendo a música que tocou.
Para mim a questão é: será jazz, funk ou pagode? Ou nenhum dos três?

Quando ele dobra a esquina, meus olhos param na japa de salto.
Ela anda com os pés abertos, numa posição que meu pai chama de "dez pras duas". Nessa hora o botãozinho de reprovação ( na minha cabeça) é acionado. "Se não sabe andar de salto não deveria se atrever". Só que aí lembro da minha própria pequenez e pondero que nascer com algum defeito não é motivo para chacotas.

Por fim, o andar mais fofinho para mim é o da senhorinha idosa, sem vaidade que aparece aqui em frente. Toda curvadinha, de chinelo de pano, bolsa cruzada no corpo e o cabelo bem branquinho, ela vai passando sem rebolar demonstrando que já deu todo seu amor e empenho pela vida.

 E o seu jeito de andar? Como é?

Blogagem musical

Achei essa BC aqui no blog da Dani Moreno. Infelizmente os cantores que mais gosto estão na letra S ou C, então tive que voltar à adolescência e buscar uma cantora que eu curtia muito. Hoje é claro esse estilo não faz mas tanto a minha cabeça, mas fica a dica pra quem vier a se interessar:

Avril Lavigne, I'm with you:

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Bc Momentos Perfeitos.


Esta blogagem pertence à autora do blog E de Etienne.



Para alguém insatisfeita como eu, é meio dificil afirmar com certeza o que seria a perfeição para mim, no entanto já aconteceu.

Sempre fui uma menina mimada e amada pela família. Claro, tive algumas rixas familiares com a minha avó que me atrapalharam um bocado em alguns aspectos, mas sei que ela me amava. O amor dela é que era esquisito, canceriano demais para mim... Enfim, minha família me ensinou a me preocupar com quem gosto, e eu transferia isso até para as amizades. O problema é que escolhi errado as pessoas que eu queria me preocupar e amar e me feri muito.

Na esperança de dar todo o carinho que guardo em mim (agora não mais secretamente) fiquei esperando uma irmãzinha mais nova, porém meus pais se recusavam a botar mais um individuo no mundo (afinal o dinheiro não estava dando em árvore na época), e por isso o sentimento foi só se acumulando durante os anos, e me fazendo sofrer por não poder extravasar.

Certo dia, porém, minha cunhada falou que estava grávida. Meu irmão tinha 23 anos e não tinha ainda um emprego ou concluído a faculdade. Foi um desespero para todo mundo, menos para mim, que abertamente demonstrei minha empolgação em virar tia. O momento mais perfeito da minha vida, foi quando no quinto dia de vida do Átila o segurei no colo. Tinha ficado presa em casa com a minha avó durante toda a semana porque Suzanne tinha tido um problema pós-parto e o resto da família ficou praticamente morando lá no hospital.

Quando o segurei, dormia profundamente e era a criatura mais rosada que eu tinha visto na vida. Fiquei ninando ele com a música do Elvis "Love me tender" por umas duas horas. Naquela hora eu soube o que era amar alguém de verdade. Claro que amo meus pais, mas não é algo consciente. Com ele tenho certeza de que vou perdoar tudo e vou até desculpar os defeitos deles pros outros, enquanto que dou um belo esporro nele rss.

Acho que não sou a favorita do pequeno guerreiro huno, mas estou feliz só de estar por perto. Assim, acredito que o próximo momento perfeito vai ter que repetir a dose desse dia. Vai ser o dia em que terei certeza de que amo alguém ou de que estou no meu caminho certo (talvez quando sentir nas minhas mãos meu primeiro livro publicado).

terça-feira, 4 de junho de 2013

Minha tara pela linguagem.

Hoje conversando com meu tio lembrei do por que que adoro a linguagem. Ele é fã do português "clássico" como ele mesmo classificou, mas eu prefiro a linguagem popular. É claro que numa poesia é bonito ver todas aquelas regras bem aplicadinhas, e em outras ocasiões também, mas acho que deve ser usado como um recurso esporádico e não como norma.

Tenho a impressão de que o politicamente correto é um tanto estático. Não muda muito e nem tem participação da cultura cotidiana. Não é influenciado pelo nosso dia a dia. É apenas um artigo de luxo para situações específicas e formais.

A linguagem popular, entretanto é bem dinâmica, criativa e se atualiza com uma velocidade incrível. Tem conotações sexuais, duplos sentidos, pilhérias, trocadilhos, associações fantásticas* etc. Acho que há poesia até na hora em que as pessoas "assassinam" a língua falando "pobrema" ,"resistro", "limpano" entre outros. É lindo ver como um idioma possui formas diversificadas de expressão e que isso não impede que todos se compreendam.

EU já tinha falado sobre isso num outro blog, então para não ser repetitiva, vou deixar com vocês uma lista dos meus jargões populares favoritos:

1-"Papo de cerca Lourenço";
2-"Mais feliz que pinto no lixo";
3-"Onde se ganha o pão, não se come da carne";
4-"Mais feio que batida de trem no escuro"
5-"Essa coca-cola é fanta!"
6- "Voltando à vaca fria"
7- "Sai dessa lama jacaré!"
8- "Já deu mais que chuchu na serra";
9- "às vezes é melhor comer o bombom na embalagem"
10- "Coisa muito oferecida, ou está podre ou está moída"
11- "Manda quem pode, obedece quem tem juízo"





*Há muita importância também dos meios de comunicação e dos programas de massa na linguagem. As novelas globais, por exemplo, criam modas como: "Tô certo ou tô errado?" (novela Roque Santeiro), "Sou chique bem!" (chocolate com pimenta) ou quando criam associações de personagens com pessoas da vida real. Por exemplo, depois de "Senhora do Destino" muitas pessoas cruéis ou interesseiras passaram a ser chamadas de Nazaré, e as escadas viraram uma grande referência à pessoas invejosas que fazem de tudo para conseguirem o que querem.