Seguidores

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Terceira parte da Exposição do Salvador Dalí no Rio de Janeiro

 Então retomamos a exposição de Dalí no CCBB. Nessa parte o artista explora a natureza com bastante criatividade. Uma amiga me disse durante nossa visita que ele gostava muito de animais africanos, e realmente encontrei um quadro(que me pareceu meio cubista) de um leão, mas há ainda peças muito delicadas como esta à esquerda. Dalí brinca com as formas de um vestido e de uma borboleta para compor a figura da jovem e pregar peças ao nosso olhar.


Além dos animais, o pintor espanhol também faz experiências com frutas e plantas hibridizando-as com a forma humana:



        Nessa parte o interessante era adivinhar quem eram as personagens de chapéu envolvidas com as plantas.
Eu reconheci o chapéu do Napoleão aqui  à direita, mas quem é esse cara esquisito à esquerda? Tenho a impressão que já vi em algum lugar, mas seria ele Robin Hood? O Curinga do baralho? Um bobo da corte? As dúvidas não param de chegar.
 Sabem, eu tenho um pouco de pavor de ver sangue ou mesmo carne crua e órgãos abertos mas fiquei um pouco curiosa em saber porque o artista transformou essa fruta num coração aberto (ou será que estou vendo isso devido ao meu pavor?). Preciso estudar Dalí mais a fundo um dia desses....







Essa imagem abaixo não tinha me despertado a curiosidade. Desenhar um olho dentro de uma maça até é esquisito, mas não me chamou tanto a atnção quanto os outros quadros, mas observando agora, quem(ou o que) seria a figura marrom atrás da planta? Um mago?




 
 Esta figura já me pareceu com algo que vi em livros infantis. Não me pergunte qual. A única coisa que não parece infantil nela são as flores que estão fechadas. Não seis e sou muito maliciosa, mas estas figuras quando não estão com as pétalas abertas parecem outra parte do corpo humano....







Saindo dessa parte de experiências com plantas, temos os seguintes quadros:





Deste eu gostei muito. Apesar de estar em preto e branco, dá para captar muita doçura do olhar da moça.


Esse aqui eu achei meio tenebroso e ao mesmo tempo engraçado. Tive que fotografar para mostrar para o blogueiro Rodrigo Shampoo. Ele escreve e desenha tirinhas  da turminha do Dogcão, um cachorro malandro e engraçado como os cariocas normalmente são. Mas enfim, lembrei da tirinha porque tem um personagem que é um bode cujo nome é: Ôbódi.

 Aqui meu pseudo intelectualismo não deixa eu dar um palpite, porque faltou criatividade.


Mas aqui eu fiquei encantada com o cavaleiro solitário. Juro que ele segura uma cabeça, ou uma caveira, o que logicamente nos remete ao grande poeta inglês: Shakspeare.



(Ah! Olha aqui o leão cubista que eu tinha falado!)

Esta, meus caros é a esposa de Dalí, a Dona Gala. Acho que eu falei que o guia da exposição comentou da obsessão do artista poe ela né?  


E por ultimo chegamos neste quadro tão lindo, que infelizmente minha foto sem flash enfeiou. Acho que as pinturas mais bonitas dele são as que mexem com figuras quase transparentes e angelicais. Dá uma paz sabe? Ai como adoro ir em exposições!



Um beijo pessoal! Se tiverem a oportunidade de visitar esta exposição não percam. Eu vou tentar ir de novo e ver se acho algo sobre o pintor na loja do CCBB. Espero também conseguir ver a exposição do hiper realismo que está lá também.

Fui...

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Sessão Nostalgia: Juntos para sempre.

Li esse livro quando estava na quinta ou na sexta série. Lembro que na época eu julguei a Natalie porque acreditava mais na astrologia do que nos próprios sentimentos e nas coisas que ela percebia. Eu não era de acreditar muito em horóscopos porque esses que tem em jornais nunca batiam com as coisas que me aconteciam.

Os anos passaram e o cuspi que dei para o alto caiu na minha testa. Uma amiga minha passou a me explicar sobre astrologia e me indicou o site do personare. Lá eu encontrei previsões diárias um pouco mais precisas (ainda não confio muito na capacidade da astrologia para prever o futuro), e o mapa astral que fiz lá deu muito certo. Acertou muita coisa sobre mim e por isso passei a me interessar e reparar mais nas atitudes dos outros para entender as características clássicas de cada signo.

Quando dei por mim sobre essa contradição entre a Alê do passado e a do presente, senti vontade de reler esse livro. O problema é que eu não lembrava do título desse livro, só consegui rememorar que a menina procurava um garoto de touro porque acreditava que este era o signo perfeito para ela [lembrei também que essa história rodou de mão em mão na minha sala depois que li. Foi uma experiência muito gostosa poder discutir algo com a turma toda].  Fiquei frustrada durante meses por não conseguir achar o título e porque nem o google conseguiu me ajudar nessa empreitada, mas eis que certo dia o skoob me sacaneou.  Por mais que eu adicionasse vários livros a minha estante virtual ele empacou no número 204 (tenho 50 a mais que isso lá), foi então que resolvi fazer uma outra conta lá e adicionar tudo de novo[eta saco de jó que tu tem Alê!] . Como eu tenho uma listinha em papel foi bem mais fácil de adicionar os livros. Quando cheguei ao 79 livro tive a agradável surpresa: "Juntos para sempre" estava escrito e eu acabei descobrindo o que tanto procurava.

O problema era achar para comprar. Era mais fácil comprar o livro de mesmo nome do Walcir Carrasco que estava disponível em todas as livrarias, mas me lembrei que muitos livros antigos são encontrados no Mercado Livre, e eu realmente achei o que queria lá. Não imaginam a minha felicidade! É um livro para adolescentes muito divertido, fofo e curtinho [na minha memória era mais longo, mas imagino que eu ainda não tivesse muita prática em leitura] e que dá uma pequena cutucada no jeito radical de muitos adolescentes.

Pode parecer um pouco contraditório eu acreditar em astrologia e ao mesmo tempo gostar de um livro que a critique, mas se tem algo que aprendi com o site personare, é que não tem um signo que seja perfeito para outro. Qualquer nativo de escorpião (por exemplo) pode se apaixonar por um geminiano e dar certo com ele (escorpião e gêmeos são os signos do casal do livro) ou se apaixonar por um leonino ou um virginiano. A Astrologia não determina quais signos são ideais para cada um, até porque, para uma combinação astral perfeita seria necessário analisar mais do que a posição solar do mapa astral da pessoa (o signo definido pelo mês e dia que a pessoa nasceu não é nada mais do que a posição do sol no nascimento da pessoa). É mais significativo no caso do amor, saber onde o planeta Vênus estava na época que o casal veio ao mundo, pois assim dá para entender como cada um ama, mas mesmo assim, a astrologia não pode determinar se vai ou não dar certo o relacionamento analisado. O que os astros podem dizer são os pontos de convergência das personalidades e os possíveis desafios que o casal pode enfrentar.

No meu caso, por exemplo, a maioria dos sites de "astrologia marrom" (acabei de inventar rss) diz que o signo perfeito para eu me apaixonar é áries. É fato consumado [pelo menos quanto a mim] que signos mais sentimentais (como câncer e peixes) me enchem a paciência, por causa da minha essência sagitariana(posição solar no meu mapa), mas perto de áries eu sou a pessoa mais sensível da face da terra. Eu até tenho amigos arianos, mas volta e meia dou uma afastada básica para não me estressar. Tenho dois rompimentos traumáticos com pessoas desse signo.

Normalmente eu diria que nem todo ariano acha que é o dono do universo mas que é uma característica comum entre muitos, só que até agora eu não conheci um ariano ligth.É muito sacal discutir com eles, porque não sabem trocar ideias, eles simplesmente doutrinam. Se você souber de algum ariano que não seja assim por favor me avise, ficarei feliz em saber [risos].

Acabou que não contei muito da história né? Mas não se preocupem, em breve vou fazer uma resenha para o "O que tem na nossa estante"  (eu espero) e contarei mais sobre Natalie e Dean. Agora quero saber uma coisa: vocês já tiveram uma odisseia assim atrás de um livro de infância?

domingo, 20 de julho de 2014

Sobre a polêmica do parto normal.

Nos últimos meses muitas notícias sobre violência contra a mulher tem estourado na rede.
Ouvi muito sobre mulheres perseguidas em faculdades (sim é a menina da UERJ), pesquisas de opinião duvidosas sobre estupro e até sobre gênero e racismo, mas algo que vem chamando atenção mesmo, é a crítica aos médicos que fazem a cabeça das gestantes para preferirem a cesariana.
 
 É verdade que existem muitos médicos carniceiros ou maníacos por cirurgia (pois todos sabemos que são elas que colocam o "cascalho" no bolso deles) e realmente há essa pressão pela cesárea, mas acredito que antes de colocar o médico contra parede você tem que ouvi-lo. Afinal, teoricamente ele sabe mais de saúde que você. Se por acaso você suspeita da opinião do cara ouça uma segunda opinião. É fundamental tirar a dúvida, nem que seja com mais 3 especialistas. Eu mesma fiz isso quando a dentista disse que eu precisava quebrar a mandíbula para colocar aparelho (e realmente não era necessário) nos dentes. Porém, se os outros médicos concordarem com o primeiro dizendo que seu caso é grave e que precisa de cesariana, encare-a! Não se coloque em risco e nem ao seu bebê. Ficar mais de 3 horas em trabalho de parto pode romper o oxigênio que sai de você para a criança.
 
Sei que o Brasil ainda precisa crescer muito em matéria de igualdade entre gêneros, mas não podemos lutar de qualquer jeito e nem espalhar histórias  duvidosas para convencer os outros a seguir o feminismo. Relatos sem embasamento desacreditam o movimento. Hoje de manhã, li o "drama" de uma parturiente que se disse torturada pela equipe médica. De início até fiquei solidária, mas conforme ela narrava parecia que ela nem tinha parido ninguém, quer dizer, como uma bolsa de água pode estourar durante as contrações? As coisas acontecem na ordem inversa gente!
Não dou razão ao médico, mas não consigo acreditar no relato dela...
 
Antes que os mais xiitas digam que sou contra o parto normal, devo dizer que pesquisei com uma amiga que faz medicina antes de escrever. Ela me convenceu de que o parto normal é melhor para a mãe porque a ajuda  a não ter depressão pós parto e a produzir leite (o que é bom pro bebê), além de equilibrar as descargas hormonais do nosso corpo, no entanto se for necessário fazer cesárea porque o neném está com o cordão enrolado no pescoço, porque sentou ou porque a mãe não teve dilatação necessária não se deve ficar teimando com o médico. Cada caso é um caso, não podemos agir no 8 ou no 80 (tipo: nem fazer cesáreas desnecessárias ou insistir em parto normal quando há uma emergência). Vamos pensar um pouquinho antes de tomar atitudes extremas ok?
 
 

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Sobre as empregadas domésticas e faxineiras

Inicio essa postagem com uma foto  de uma maravilhosa guloseima, para falar de algo muito sério e por vezes muito triste [ou ao menos que me deprime]

Semana passada eu voltava para casa no horário do rush quando uma advogada resolveu puxar assunto comigo. No início estava bem produtivo porque ela estava me informando do novo funcionamento dos ônibus. O problema é que rapidamente o assunto passou a ser política e ela revelou logo que era uma "coxinha". Olha o que a "pessonha" me disse:

" Eu vou voltar no Eduardo Paes, ele ao menos fez melhorias urbanas na cidade, agora não voto de jeito nenhum é no governo do PT. Não é que eu seja contra não[ela se referia ao bolsa família], mas o governo do PT só pensa em sustentar vagabundo. Por causa do Bolsa Família eu não consegui mais uma empregada porque elas podem ter vários filhos e ganham dinheiro para isso. Elas não querem mais trabalhar porque vivem da mamata do governo. Eu fui pobre e não tive nada disso sempre lutei para conquistar o que é meu."

Bom, não vou discutir os méritos do prefeito, mas achei um absurdo ela colocar a culpa da falta de empregadas domésticas e faxineiras no Bolsa Família. Todos sabem que agora a lei exige que os patrões paguem fundo de garantia para as empregadas, e que isso gerou uma grande demissão em massa, pois a classe média não podia pagar por isso. Então onde essas pessoas foram buscar emprego?De acordo com a moça que passa roupa aqui em casa, as amigas dela  estão evitando trabalhar em casa de família porque as empresas de limpeza terceirizadas podem oferecer esses benefícios. É claro que o mercado vai ficar bem saturado,  mas quem é que vai querer abrir mão desse benefício? Um dinheirinho a mais sempre ajuda.

No fundo, acho que as pessoas que ascendem socialmente são as que mais se ressentem das políticas públicas contra as desigualdades sociais. Deve ser porque gostariam de ter tido e não puderam. Estão tão loucas para terem o próprio valor reconhecido que não enxergam as necessidades dos outros. Eu fico muito triste com esse tipo de opinião. É verdade que muita gente depende do Bolsa Família, mas chamá-los de vagabundo é um erro tremendo. Não acredito que esse programa deveria existir para sempre, porque é um paliativo para uma situação ainda mais grave que é a desigualdade social. O governo tem que criar meios para que as camadas mais baixas da sociedade possam construir seu espaço e o mais importante e tradicional é a educação. Quando alguém tiver uma grande ideia para melhorar o ensino público e democratizar as oportunidades de emprego o Bolsa família não será necessário.

Essa história de premiar quem tem mérito é balela. O que é mais necessário? Dar a quem já tem ou socorrer quem passa necessidade e não tem condições de lutar? Por que gente, esse negócio de "quem quer consegue" não é para todo mundo não, principalmente quando há pessoas afortunadas que por inveja/ciúme ou recalque fazem de tudo para dificultar a vida de quem está por baixo. Pierre Bourdieu já dizia que para se crescer na sociedade é necessário vários tipos de capital (o cultural, o social etc)e quem nasceu na miséria sempre tem que fazer o dobro do esforço que alguém da classe média. Então, na minha opinião a gente não deve julgar as ações dos outros quando não sabemos se seríamos capazes de fazer melhor se estivéssemos na mesma situação.

Bom, isso é tudo por hoje.
Um abraço!

domingo, 13 de julho de 2014

"Brazuca é bom de bola", mas e quando não é?

Estive pensando com meus botões nessa questão do futebol. Muita gente está se sentindo mal, humilhado com a goleada e em compensação também há muita gente que vem criticando quem está decepcionado. De fato, apesar de não gostar muito de jogos eu também estive chateada com essa goleada e fiquei me perguntando porque. Afinal não tem coerência gostar de futebol só nessas épocas né?

Bom, colocando o tico e o teco para funcionar, percebi que tanto quanto eu, a muitas pessoas nesse país não são nacionalistas todos os dias. Somos uma pátria de coxinhas e pelegos e adoramos falar mal de nós mesmos. É difícil a multidão se juntar em uma só em prol de algum motivo. Hoje em dia temos as manifestações que cumpriram esse papel por um tempinho, mas tradicionalmente o futebol é que tem essa função. Claro que tem umas "anomalias" por aí que resolvem não torcer pela seleção, mas em geral é com o futebol que a maioria se lembra do hino, da bandeira e da nação brasileira. Eu diria que nosso esporte do coração é o verdadeiro símbolo nacional, é a nossa identidade, pois é a única coisa que integra todas as regiões do país.

Por causa disso, acho que essa velha música do Gabriel pensador vem a calhar:




Não é que eu despreze quem gosta de futebol, mas depender de algo que envolve  mais sorte do que talento para ter uma identidade, mostra como nossa autoimagem é frágil. Seríamos mais respeitados mundo afora se tivéssemos educação de qualidade e uma realidade menos injusta como denuncia a música do Gabriel Pensador.

Que tal repensar a nação?

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Enquanto o tiro "come" lá fora e eu não posso sair....

Nesses dois últimos dias  evitei sair de casa porque lá fora o tiroteio está correndo solto. Ouvi barulho de helicóptero o dia todo sem falar nos tiros.  Não que estejam na minha rua, mas dá para ouvir bem o confronto entre polícia e bandidos daqui, afinal na próxima rua tem um morro que nos últimos tempos vem abrigando marginais que fugiram das UPPs (Unidades de Pacificação).

Eu gostaria de fazer uma grande denúncia, mas para que revelar onde moro né verdade? Ao invés disso só distraio a minha cabeça com vídeos que andei encontrando por aí, achei tão engraçado que resolvi mostrar para vocês. Espero que curtam! Um abraço.


Eu adorava esse série e foi legal ver o antes e o depois dos atores, mas o mais legal foram os vídeos:






 

quarta-feira, 9 de julho de 2014

O fim da Copa 2014

 É meus amigos, essa foi a Copa das Zebras e nós fomos responsáveis pela maior delas. Eu não estava me enganando de que venceríamos, mas tomar a nossa primeira goleada histórica foi aterrorizante. Acredito que já estejamos passando o título de país do futebol adiante, apesar desse esporte ainda ser forte pra nossa cultura.

Eu como a maioria, fiquei muito arrasada. Todos nós compartilhamos o sofrimento da seleção diante daquele massacre alemão. A sensação é de ter tomando um soco no estômago, mas felizmente eu nunca fui tão fã de futebol e melhorei rapidinho com um pouco de pizza, uma compra fútil no Mercado Livre e a gravação de um podcast com as meninas do blog "O que tem na nossa Estante". Antes do cast Pandora me disse que ter um time na terceira divisão a ajudou a levantar a cabeça,  o que com certeza  facilitou a minha saída do "bode".

No entanto, sinto a necessidade de expressar que não culpo os meninos da seleção. Desde o início dos jogos eu sinto que eles estava abalados psicologicamente. É uma seleção muito jovem que foi muito pressionada pela mídia( lembra da propaganda das criancinhas dizendo que nunca tinham visto o Brasil ser campeão?), pelas pessoas na internet (vide as várias zuações com o jogador Fred no Facebook) e pelos canais esportivos. Em todos os jogos respirei o medo deles e me perguntava como eles conseguiram ganhar mais uma vez estando com os nervos tão abalados. Não são jogadores ruins, mas estavam tão melindrados em campo que perdiam oportunidades dadas de mão beijada. 

Por mais que se possa tecer críticas aos jogadores e ao Filipão, acho que eles foram bravos por persistirem até o fim, mostraram que realmente "brasileiro não desiste nunca". Quem merece críticas mesmo são os coxinhas da torcida. Enquanto o Neymar faz Gol eles gritam "Sou Brasileiro com muito Orgulho e com muito Amor", mas quando a seleção precisa de uma força no(a) moral eles vaiam? Tudo o que eles menos precisavam em campo era de algo para diminuí-los, porque já estavam encolhidos pelo gigante alemão. Mandar "tomar no cu", vaiar, aumentar a vergonha deles não adianta gente. Tudo bem que não dava para sentir orgulho dos frangos que tomamos, mas dava pra gritar qualquer outra coisa, até mesmo "Eu sou brasileiro e não desisto nunca". Um monte de coisas servia para apoiar os meninos. Quem sabe se assim tivéssemos feito não tivéssemos conseguido fazer mais uns dois gols?

O fato é que essa copa só mostrou o quanto falhamos como povo. O quanto somos hipócritas e falsos nacionalistas (ainda não sabemos nem cantar o nosso hino). Demonstramos também uma tremenda falta de educação vaiando o hino dos outros e mandando nossa presidenta tomar nu cu. Aliais falando em Dilma, estou surpresa do povo que dizia que não ía ver a copa porque ela estava comprada agora agir como se a culpa da derrota fosse dela. Estamos num momento tenso de "coxinisse".

Enfim, como eu ainda tento ser otimista vejo um lado bom apenas: essa estratégia de colocar a Copa por todo o Brasil deve ter ajudado o mundo a entender melhor nossa cultura. Quer dizer, agora o pessoal sabe que a nossa capital é Brasília e não Montevidéu , sabe que não manjamos quase nada de espanhol (a não ser talvez nos estados de fronteira) e que o Brasil é um grande celeiro da diversidade cultural. Infelizmente a notícia de que temos um celeiro de coxinhas também se espalhou.

E você como se sentiu com nossa derrota?

domingo, 6 de julho de 2014

Tag Sugestões

Fui indicada (ou desafiada?) pela Mari B do Blog Devaneios e Desvarios a fazer essa tag "Sugestões". Gostei muito da ideia porque é muito legal recomendar uma preferência nossa e ver outras pessoas "se amarrarem".  Eu posso dizer que iniciei muitas pessoas no vício dos animes e dos mangás, e foi algo muito legal na época porque acabei tendo com quem conversar sobre  vários personagens que eu gostava. Enfim vamos as regras:


Regras:
1. Mostrar qual o blog que te indicou.
2. Sugerir um filme, uma comida, uma música, uma série e um livro.
3. Sugerir duas outras coisas do item 2.
4. Indicar 10 blogs para essa tag.

Acho que o primeiro ítem já merece ser cortado né? Então vamos para as sugestões:

2. Um filme:
É meio difícil recomendar um filme. Tenho muitos preferidos e acho que já falei demais da maioria deles, então escolhi falar de uma adaptação de um anime (muito famoso) para o cinema: Samurai X. Depois do desastre de Dragon Ball no cinema eu estava meio desconfiada desse Live Action do Rurouni Kenshin (título em japonês), mas como não foi Hollywood quem produziu, posso dizer que o resultado foi mais que satisfatório. A coreografia de lutas é bem fiel a do desenho, por mais impossível que pareça reproduzir aqueles movimentos loucos do estilo da espada samurai Hiten Mitsurugi, e os atores capturaram bem o caráter dos personagens (e alguns cacuetes também) e o filme falou da primeira temporada do anime sem estragar a história colocando clichês ocidentais nela.

2.1. Uma Comida:

Bom, eu recomendo para quando você estiver na TPM comer Petit Gateau. Quer dizer, quando estou para entrar nesse inferno mensal eu fico com uma súbita vontade de comer algo pra lá de enjoativo e o petit gateu é doce pra caramba. O significado dessa expressão é "pequeno bolo" ou "bolinho" e não pequeno gatinho ok?[risos] Eu sei que a piada não tem graça, mas foi o que um amigo uma vez me perguntou, então resolvi explicar. Por mais que tenha esse nome elegante, o petit gateu é facilmente encontrado no meio das massas prontas de supermercado.

2.2 Uma Música:

Eu sou uma pessoa pra lá de musical. Às vezes sonho com músicas ou acordo com elas tocando na minha cabeça (sem falar que só lavo a louça ouvindo meu mp3). A dica de hoje no entanto, não é de uma música que eu ouça muito, porque é um rock pesadão sabe? Só consigo ouvir em momentos muito específicos (na hora da raiva), mas encontrei essa versão da música no youtube que é linda e nenhum pouco pesada vejam:
                                 (Nothing else matters-harpa/ Metallica)

2.3. Uma série:

Não sou muito de acompanhar séries, porque como a maioria é muito longa  eu me canso delas rápido. A única que me mantém na expectativa semanal é Game of Thrones, mas isso porque não tem como baixar na internet, pois a série estreia na mesma época pelo mundo todo. Recomendo essa série sim, mas vou deixar aqui uma outra que eu assistia quando era criança que eu me amarro:

                                           Blossom SBT (1991-1995)


2.4. Um livro:

A Capital Federal é um livro que compila uma peça de Arthur Azevedo. Fala com muito humor e ironia da sociedade carioca na virada do século XIX. Quase usei na minha monografia, porque fala das transformações que a sociedade sofreu com a Segunda Revolução Industrial e os ideias de Civilização que estavam surgindo. Apesar disso, é um livro muito engraçado, as pessoas no ônibus ficavam me olhando enquanto eu gargalhava com a história. Minha personagem favorita era uma prostituta espanhola que dava o golpe em quase todos os personagens da história, mas que no final tomou um calote do próprio mordomo. Ela sempre dava as melhores pérolas da história.


3. Outras duas sugestões aleatórias:

Filme do Charles Chaplin estrelado por Robert Downey Jr. :





É um filme muito bem feito. Downey Jr. Está de parabéns porque imita as palhaçadas do Chaplin perfeitamente.










Livro: "As memórias perdidas de Jane Austen". Dentro de alguns meses deve sair no blog "O que tem na nossa estante"  a minha opinião sobre esse livro, mas aproveito para recomendá-lo a todas as fãs de romances e a todas as fãs da consagrada escritora inglesa. Ah sim! acho que os aspirantes a escritor também vão gostar de ler, pois a autora do livro fala das esquisitices criativas da Jane. Eu me diverti muito ao descobrir que tenho muita coisa parecida com ela.



A parte que mais dá trabalho é a indicação dos 10 blogs, afinal, muitos estão parados agora em julho. Acho que vou indicar somente 5 e deixarei aberto para quem mais quiser participar do desafio. Então vamos lá:

Chica escreve por aí

sexta-feira, 4 de julho de 2014

Porque eu não gosto de futebol.

Deve ser estranho olhar um post desses em plena Copa, onde a maioria das pessoas, até mesmo as que não curtem, estão assistindo aos jogos para terem o que conversar. Mas preciso desabafar essa ideia.

Certa vez um "peguete" concluiu por mim: "Alê, você não gosta de coisas que desagregam" e acho que é mais ou menos esse o motivo de eu fazer questão de não torcer para nenhum time de futebol. Desde que eu era pequena, via as pessoas brigando por causa de times e algumas amizades acabando por essa bobagem. Foi problemático decidir ser neutra, todo mundo fazia pressão para eu voltar a ser flamenguista (muitos familiares tinham medo de eu seguir o caminho da minha prima, que primeiro ficou neutra e depois desertou para o Vasco) mas eu sempre fui turrona e acabei vencendo a pressão deles.

É claro que isso teve o lado ruim também. Sem gostar de futebol ou novela acabei me excluindo do meu círculo social: os colegas de escola. Percebo que essas grandes paixões nacionais já faziam parte da identidade dos meus amigos, e que depreciar o outro por causa do seu time era uma forma de se elevar., de mostrar que é melhor e que sabe mais que o outro. Em resumo, acho que as pessoas escondem as próprias fraquezas de caráter por trás de seus times.

Nesta Copa do Mundo a coisa não está diferente. Todo mundo se desrespeita, pois por mais que se faça campanhas publicitárias fofas sobre união dos povos, os jogos sempre acabam reforçando as rivalidades entre as nações, e atitudes desonestas acabam surgindo. Não falo isso apenas pela coluna do Neymar (apesar de ter sido a coisa mais grave que vi acontecer), a mordida do vampiro Suárez e as declarações racistas de torcedores espanhóis também demonstram isso. A competição sempre aflora o pior das pessoas, em especial as pessoas fracas.

É claro que teve coisas legais também. Muitos jogadores europeus foram gentis conosco (como os alemães e os holandeses) e nós também fizemos coisas legais, como o David Luiz e o Dani Alves consolando o James, mostrando uma conduta bem esportiva nessa hora, mas na minha opinião, nessas situações as coisas boas ficam meio apagadas porque as ruins são bem assustadoras.

Eu sei que tendo a ser meio radical, mas atitudes tão desprezíveis como essas me irritam demais. Bom esse foi só um desabafo, até mais!

Segundo capítulo da série: "Escrito nas estrelas" # Câncer.

Hoje, mais uma vez venho divertir ou não meus amigos leitores com a minha baboseira experiência astrológica. A vítima da vez é o signo de câncer.

Eu tenho um grande trauma com câncer. Não que todas as pessoas desse signo tenham sido ruins comigo, aliais hoje meu melhor amigo/irmão oficial é nativo dessa casa zodiacal, mas teve alguém no meu passado que marcou muito minha vida. Acho que no caso tratava-se de um embate entre fogo (eu) e água (ela), além do fato de que essa pessoa era muito revoltada.

De modo geral, câncer valoriza o lar e a família. Já li na internet que o canceriano é aquele que vai pagar uma conta no Bradesco para a madrasta no dia 5, o que revela o senso de união familiar desse signo. Não que ele seja do tipo que passa o sábado a noite em casa, na verdade ele tem uma qualidade social incrível. É simpático, charmoso e não gosta de ficar sozinho. Já ouvi dizer que quando estão solteiros aprontam todas, mas quando amam querem passar o tempo todo grudados ao parceiro.

Não conheço casos de cancerianos infiéis, mas imagino que se forem, serão do tipo daquela personagem global que dava leitinho batizado pro marido dormir enquanto ela ía pra farra. Em outras palavras, ele pode trair, mas a pessoa que ele ama NÃO, NUNCA!

O lado ruim desse signo é a necessidade de controle. Recomendo que se você é nativo de câncer, nunca caia na esparrela de virar dona de casa. Tenha sempre uma carreira ou um hobby que sugue bastante da sua energia e disposição, caso contrário é possível que você queira viver através de seus filhos e parentes, e acabe sufocando-os. O que desgosto também é a chantagem emocional. São do tipo que nos fazem dar chorando aquilo que pedem torturando psicologicamente (reinventei o ditado). Tem Maquiavel no sangue kkkkk.

Eu meio que tentei ser um pouco justa com câncer, mas acho que falhei dolorosamente. É claro que preciso lembrá-los que nem todo canceriano precisa ser melosinho-chantagista, pode ser simplesmente simpático, carinhoso,engraçado, adorar a família etc, mas é preciso saber também que há aqueles que seguem o lado negativo do signo.

Bom, aos cancerianos camaradas, apenas ignorem a parte negativa ok? Um bom mês de aniversário a todos!  Até o mês de leão rapaziada e moçada!

terça-feira, 1 de julho de 2014

Galeria de Arte: Segunda parte da exposição do Salvador Dalí



Eu fiquei de trazer mais fotos da exposição do Salvador Dalí no CCBB RJ. Peço perdão pelo atraso, mas esse clima de férias está me deixando bem molenga sabe? Acho que deixei esse blog por muito tempo às moscas, mas vou voltar a postar com todo gás a partir de agora. Estou programando alguns posts para que tudo fique em dia, e prometo que em breve anunciarei a Coletânea de Contos Sobre Violência contra a mulher, que há tempos eu resolvi fazer. Acredito que também farei um sorteio de 5 livros, então espero que fiquem de olho neste blog. Bom vamos as fotos da exposição!

                                                      Natureza Morta


                                            (Não lembro o nome desse)

                   Posteres do Dalí (destaque para as fotos do bigode dele kkkk)

                               (mais posteres esse cara era muito gaiato)
                                        
                               (Pesadelo, bom para mim se parece com um)

                                             Dalí e sua esposa, Gala.

                                     Não sei também o nome dessa tela
                                       mas acho que foi uma cena que ele
                                             desenhou para algum filme.

Esse pôster foi um dos meus favoritos. Se minha memória não me engana, acho que é uma cena de Alice no país das Maravilhas.


Aqui o Dali me lembrou o Belo (aquele pagodeiro mesmo). Quer dizer, a foto é em preto e branco, e parece que ele cortou o cabelo curtinho e pintou de loiro.

                                    Seria essa uma reprodução da Vênus?
                                     A auréola põe em dúvida sua identidade
                                          mas é um quadro lindo não?


Gente, Acho que vou ter que fazer mais um capítulo sobre essa exposição. Ainda tem umas 8 fotos para postar e esse post já está enorme. Não quero deixar de postar essas últimas fotos, porque acho que a exposição só vai para São Paulo, não sei se vai para outros estados também. Aguardem a terceira parte da exposição virtual do Dalí! Beijos turma!