Seguidores

sábado, 15 de novembro de 2014

Cine Menina das Ideias:O anel do dragão ou o filme da princesa que tinha um boneco mágico que realizava desejos.



Bom, o título extremamente longo desse post deve ter intrigado vocês, mas eu  já vou explicar. Quando eu tinha 6 anos passava no SBT um filme  italiano (eu não sabia que era italiano, só descobri há pouco) onde um rei mau adotava uma garotinha ruiva que ele encontrou na floresta. Esse rei tinha uma filha muito boa chamada Desidéria e muito bela também

Selva
O problema é que a a garotinha adotada era filha de um clã amaldiçoado por ter feito  mau uso do anel do dragão. A missão dessa princesa era herdar o anel do dragão por bom comportamento ao invés de Desidéria, só que Selva não era nenhuma florzinha. Fez de tudo para infernizar a vida da irmã mais velha com a magia que herdara de seus verdadeiros pais. A pobre boa moça cresceu se sentindo uma inútil (Selva arruinava seus bolos com magia e qualquer outra coisa que a irmã mais velha queria fazer), uma incapaz que não merecia herdar o trono do pai.

Só que Desidéria não precisava de uma irmã pentelha para se meter em confusão. Ela mesma tinha uma personalidade dificil, apesar de ser uma boa moça. Ela desobedece ao pais, foge, liberta um prisioneiro, se recusa a casar com os pretendentes, recusa o anel do dragão de seu pai entre outras peripécias que a colocavam de castigo e quase fizeram seu pai dar cabo de sua vida.

Por algum motivo, a emissora parou de transmitir esse filme há muitos anos. Com o advento da internet, do mr Google e  do Download (principalmente) achei que poderia recuperar o filme para rever, mas infelizmente eu não sabia o título e fiquei anos procurando. Só achava uma outra pessoa perguntando desse filme no "yahoo-respostas". Digitei a sinopse do filme várias vezes e nada! procurei por contos de fadas e nada, mas quando coloquei na busca por imagens do Mr Google "contos de fadas dos anos 90" me deparei com  uma foto da princesa Desidéria. Não era essa aí em baixo, mas reconheci na hora.


Não sei como me lembrei da cara dessa atriz, já faz mais de 10 anos que eu via isso no SBT (após a propaganda eleitoral, olha quanto sacrifício eu fazia para ver o filme!), mas fui direcionada para este site:Mundo Drive e a espera acabou! É claro que ainda procurei um pouco por um link de download e quase tive que assistir inteiro em italiano sem saber nada da língua, mas consegui assistir tudo em castelhano e matei a saudade.  Não achei que era essa coca cola toda que eu lembrava, porque tem aquela coisa do amor a primeira vista e muito drama na relação de Desidéria e Selva, mas foi legal identificar o "tom italiano" nos contos de fadas (segundo um autor que eu li dias atrás o conto de fadas italiano cai mais pro cômico enquanto que  o francês cai pro lado do golpe e o alemão para a violência) e descobrir que já nos anos 90 existiam princesas que salvavam príncipes e lutavam de espada.

Ah! Antes de me despedir, vou explicar o título imenso: queria facilitar  a busca para os próximos nostálgicos que se lembrarem desse filme ^_^. E como sou realmente muito boazinha já deixo aqui embaixo o link das duas partes do filme (em castelhano) que achei no YouTube:



Parte 1:


Parte2:

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Cine menina das Ideias: Drácula-A história nunca contada.

Ai gente eu estava com saudades de escrever aqui sabe? Meu blog é meu lugar de desestresse, mas não conseguia escrever enquanto estava enfocada nos meus estudos. Quando me concentro em resolver um problema, com certa urgência, minha criatividade fecha/seca/vai para a cochinchina e eu não consigo escrever.

Nos últimos tempos, porém, peguei uma doença atrás da outra e nem to conseguindo mais entender o que leio. Acho que necessito de um retiro espiritual e um descanso urgente. Deve ter sido  por isso que no sábado  saí de casa na primeira oportunidade e fui assistir "Drácula- A história nunca contada". Não sei se vocês sabem, mas tenho não uma "quedinha", mas uma tara por épicos e histórias de aventura e apesar de Drácula normalmente ser uma história de terror, fui com essa intenção de me aventurar nas terras longínquas da Transilvânia.

Nesse filme Vlad Tebes é um príncipe traumatizado por ter servido ao império turco desde os 7 anos de idade. Ele aprendeu com os muçulmanos a ser irrascível, cruel e invencível em batalha, mas após ter terminado seu tempo de "serviço" ele volta para o lar e deseja só a paz. O problema acontece quando 10 anos depois o rei turco volta e exige 1000 crianças do reino de Vlad para servir ao exército otomano durante a invasão da Europa. O problema é que devido a desentendimentos diplomáticos, o rei exige de Vlad que seu herdeiro esteja incluído no "pacote". É nesse momento que mais uma vez o príncipe das trevas abdica de sua humanidade para obter a força de 100 homens.

Luke Evans convence muito como pai e marido apaixonado. Está longe de ser o cara cruel dos tradicionais filmes draculinos, apesar de ter empalado um monte de inimigos, cortado muitas cabeças na frente do próprio filho (para salvá-lo, claro) e não apresentar remorso algum depois de matar. Contraditório né? Saí com essa sensação do cinema, mas quem não é contraditório? Apesar de ter duas facetas muito díspares ele parecia saber conciliá-las, quer dizer não é como se fossem duas personalidades diferentes, ele era um só. Acho que era a historinha que ele se contava que o impedia de ficar maluco.

Teve gente que riu no cinema porque teve muita mentirada, tipo quando o Vlad enfrentou sozinho uns 100 mil soldados (tá, é bizarro até para um vampirão), mas tipo: cinema não é lugar da mentira? Quem cresceu vendo carro subindo escada e "missão impossível"(ou mesmo 300 de Esparta que são 300 contra milhares e sobrevivem muito mais que o esperado) não devia se surpreender com esse tipo de coisa [risos], é só sentar e se divertir com a pancadaria. Aliás foi uma boa pancadaria! Não foi como a sequência de 300 (que chegou a ser nojenta de tanta realidade nos ferimentos) com lanças atravessadas na cabeça de soldados, mas discordo da filha do Zé do caixão quando classificou o filme como "história para pré-adolescente", eu com meus 12 anos quase não dormi de medo do "homem da máscara de ferro" (tá isso é ridículo, mas aconteceu) imagina com dezenas de decapitações e empalamentos?

Bom, por último, esse filme não investiu muito na parceira de Vlad, para você ver não tenho nem certeza de qual era o nome dela. Ela era um bibelô sim, linda loura e voltada para a família, mas não foi representada como mulher fútil e sua opinião era respeitada pelo marido. Em nenhum momento ela foi castigada por falar alto com o príncipe na frente dos turcos, no entanto não dá para esquecer que ela é uma mulher da era medieval e estava em segundo plano.

Espero que tenha continuação, se não fico frustrada!
Beijos, Alê.

PS: A amiga Nádia me deu um pito útil e fiz uma correção no meu texto. Eu havia usado o termo "árabe" como sinônimo para "turco", o que é um grande engano pois os povos árabes foram muitas vezes oprimidos pelos turcos (motivo pelo qual muitos árabes imigraram par ao Brasil segundo Jorge Safady). No entanto, acredito que meu engano se deve à semelhança da representação do cinema americano para os povos do oriente médio. É só ver "o príncipe do deserto" ou "cruzada" e fazer uma comparação das características físicas dos personagens. Dessa forma, ainda aposto que em Drácula- A História nunca contada há sim uma referência aos conflitos entre oriente e ocidente.