Seguidores

terça-feira, 31 de março de 2015

Tag Liebster Award

Recebi mais uma Tag essa semana, dessa vez foi a Nádia do "Dança com livros" quem me indicou. Gostei das perguntas e acho que é um desafio de certa forma, porque escolher autor favorito é difícil e também porque perguntas sempre provocam nossos sentimentos né? Bom dei um print nas regras e nas perguntas da Nádia porque ela desativou a cópia no blog dela (o que é bom, mas dá trabalho na hora de citar rsss) Então aí vão as regras:


11 fatos sobre mim:

1- Não é preciso uma piada muito engraçada para me fazer rir, rio até quando cai batata no copo de refrigerante;
2- Gosto de fazer amizades, mas não me dou bem com grude;
3-Esse ano penetrei uma festa de ano novo só para não passar em casa;
4-Abelhas adoram brincar comigo. Nunca fui picada por uma.
5- Um cachorro quase me atacou uma vez mas fiz uma saudação hindu(Atma namastê!) e ele brecou;
6- Adoro animações da Disney;
7- Tenho facilidade para fazer amigos, mas às vezes fico com preguiça social;
8- Estou morrendo de medo da hora que eu tiver que dar aula para um monte de pirralho melequento;
9-Minhas escolhas de vida se encaixam no conceito de "caixa de brinquedos" do Ruben Alves
10- Adoro livros infantis, apesar de já ter mais de 20 anos;
11- Adoro fazer quizzles, embora eles não sejam muito certeiros nas suas análises.


Agora as perguntas da Nádia:











1- Eu costumo ler deitada, apesar disso não ser nada bom para a coluna;

2- Ultimamente estou ocupada com a pesquisa da faculdade, mas tenho escrito alguns poemas. O que gosto mais de escrever são romances, mas nem tenho tido tempo;

3- JK Rowling, Jane Austen e Cressida Cowell;

4- Sim, prefiro os romances de fantasia ou aventura;

5- Tenho me mantido fiel, mas não vejo a hora de poder me aventurar por novos gêneros;

6- Bom, para JK eu perguntaria se ela não poderia escrever mais sobre os pais do Harry, a Jane eu perguntaria por que ela não escreveu mais livros;

7- Acho que sim. Não lembro o nome, mas qualquer um que fale da Escócia e das "Terras Altas" me interessa. Eles tem um folclore muito rico;

8-Sempre quis viver no mundo do Harry Potter;

9- Personagem favorito de todos os tempos? Acho que o Yusuke Urameshi, de um mangá chamado YuYu Hakushô.

10- Bom, digamos que eu fique meio depressiva quando não posso ler para relaxar;

11- Que ler é "como ter uma televisão dentro da cabeça" (como diria a Samantha Pucket do I Carly). Não sou do tipo que acha que ler é a coisa mais importante do mundo. É claro que quem lê descobre muitas ideias novas e desenvolve o intelecto, mas quem não lê tem mais experiência de vida, então todo mundo sabe algo e pode compartilhar conhecimento.



Indico a Rosélia, a Marina Carla, A Pandora, a Chica, a Alê, o Alê , a Ana Paula, a Pedrita, a Joice, a Bia Hain e a Silvana Haddad. e Minhas perguntas para elas são:

1- Vocês estão lendo algo agora? O que?
2-Que personagem de livro ou filme você mais se identificou?
3- Qual a sua zona de Conforto literária?
4-Você tem ciúmes da sua estante? Ou empresta e doa livros tranquilamente?
5- Você compra livros porque eles estão na promoção ou só quando não tem mais livros para ler?
6-Quantos livros você já leu esse ano?
7- Gosta de algum autor nacional dessa década? (não vale os autores clássicos da literatura)
8- Você gosta da bienal do livro?
9-Já foi em algum evento literário ou tarde de autógrafos numa livraria?
10- Tem algum livro que você gostaria que virasse filme?
11- Sabia que a inspiração para 50 tons de cinza foi  "Crepúsculo" da Stephanie Meyer?







sábado, 28 de março de 2015

Livro Sangue Azul

 Antes de começar a resenha, gostaria de tecer alguns elogios à editora pela verdadeira arte que usaram para trazer a história de Ana Carolina à luz. Tanto a capa como a organização dos capítulos e o enfeite nas páginas finais deles revelam um capricho e um carinho imenso com a obra, que durante esta resenha vocês terão o prazer de observar, pois fotografei tudo. Dá orgulho de exibir na estante!




                                             
                                                              Título: "Sangue Azul"
                                                              Autor: Ana Carolina Delmas
                                                              Editora: Miguilim
                                                              Ano:2014.

Resumo da capa:
Olívia Spenser era uma garota comum. Ou ao menos era o que pensava, até conhecer Nicolas e descobrir que ele e o mundo à sua volta não são o que parecem ser. Mas aceitar esse novo universo não será o mais difícil. Acompanhando o verdadeiro despertar de sua vida, um grande perigo rondará sob a forma de uma profecia e de um inimigo cruel. Depois que tudo ganhar um novo sentido, ela terá que treinar habilidades e lutar com todas as suas forças para defender aqueles a quem ama. Fugas, batalhas, descobertas e sacrifícios serão feitos em busca do equilíbrio entre o bem e o mal. E por um mundo em que o verdadeiro amor possa viver em paz.



Página de abertura do capítulo
        Esse é o primeiro romance de Ana Carolina Delmas e posso dizer que ela se saiu surpreendentemente bem.  Conheço muitos autores iniciantes que tem ideias ótimas mas se enrolaram com a metodologia em seu primeiro romance, mas Delmas, uma colega historiadora, conseguiu passar nessa provação. Não deixou pontos soltos e demonstrou maestria ao utilizar todos os personagens que criou com precisão.
             A história se trata do fulminante amor entre Nicholas, um arqueólogo, e Olívia uma menina tímida e superprotegida pelos pais que se sente o ser menos importante do universo. Quando a heroína se muda para Londres para trabalhar na livraria dos pais sua vida muda completamente. Sem saber começou a atrair a atenção de seres das trevas e vários mistérios sobre seu passado
 voltaram à tona, ajudando-a a descobrir quem era e a ficar madura
 para assumir um relacionamento.

encerramento do capítulo
            Confesso que no início (mais ou menos nas primeiras 50 páginas) fiquei achando que se tratava apenas de mais um romance hiper meloso, mas a autora vai bem de devagarzinho soltando algumas pistas sobre a trama e isso foi me atraindo cada vez mais para saber onde ia dar. O que descobri? Bom, Delmas criou um mundo hiper complexo  com seres mitológicos variados, cenas de ação incríveis, guerras, romance, amizades verdadeiras, segredos de família, feitiços entre outras coisas.
          Além disso, opera um crescimento da personagem principal que a destaca um pouco dos romances produzido por Norah Roberts e companhia. Olívia começa como uma donzela indefesa que precisa ser sempre salva, mas aprende a se transformar em animais,a lutar com espadas e a encarar guerras. Em certos momentos sua bravura e força é tão grande que deixa Nicholas para escanteio, pois protagoniza a maior parte das cenas de luta, sem no entanto ficar masculinizada e virar "o homem da relação", como algumas pessoas dizem por aí. 


             Em alguns momentos senti influência de Harry Potter, na leitura, porque construir um mundo tão redondinho com criaturas tão diversas é coisa para poucos, sem falar que Olívia e Nicholas também vivem um mundo que mistura realidade e fantasia, sem falar que é um mundo bem contemporâneo. Aí quando resolvo buscar um resumo do livro para vocês no skoob, acabei encontrando o facebook da autora e ela tinha compartilhado o que? Tchantcharantchan: um vídeo sobre Harry Potter. Será um acaso? Bom, só sei que fiz questão de deixar um recadinho dizendo o quanto gostei do livro.

sexta-feira, 27 de março de 2015

Lovelace

Anteontem assisti o filme estrelado por Amanda Seyfried sobre a polêmica atriz pornô: Linda Lovelace que foi ícone da liberação sexual feminina.

O filme tem uma forma interessante de mostrar a história dessa moça. No início ela é contada normalmente e de modo linear, porém quando Linda conhece Chuck, algumas cenas são cortadas e temos uma ideia sobre o relacionamento dos dois. Só que em determinado momento, o diretor volta o filme e passa a apresentar as cenas cortadas e vemos uma realidade muito mais dura e terrível do casamento de linda e Chuck. Confesso que eu já suspeitava porque tem uma cena em que todos acham que os dois estão transando mas o barulho parecia de uma pancadaria, mas é chocante a dimensão que a coisa toma.

Quando vi a propaganda no telecine, vi uma mulher confiante, e sem inibições, mas Linda não era nada disso. Era uma mulher como todas nós, com suas inseguranças e medos tentando sobreviver, só que seu maior inimigo era o próprio marido que a espancava e prostituía.

Há alguns anos eu fiz uma BC sobre pornografia num blog antigo. Eu me posicionei contra a pornografia, e fui acusada de dizer que as mulheres não tinham libido e coisas assim. O que não é verdade, todas nós temos tanto desejo sexual quanto os homens, mas gostar de filme pornô é ajudar o machismo a sobreviver. Não penso mal das meninas que gostam de ficar com vários caras nem das que gostam de tirar fotos nuas, afinal como dizem as feministas: "meu corpo : minhas regras" faça o que quiser com seu corpo, pode até filmar suas relações sexuais para ver depois (e mostrar para quem quiser). O que acredito ser errado é vender a própria imagem para um bando de retardados que não te dão valor algum ejacular na poltrona, no ralo etc. A partir do momento que ele pode comprar seu corpo numa revista, num dvd você deixa de ter valor como ser humano e vira só mais um objeto que ele consome e consequentemente qualquer violência contra você é justificável. Um exemplo disso você pode ver na cena que Linda cai na rua depois de ser espancada pelo marido. Dois policiais estavam prestes a socorrê-la e prender o marido dela, porém quando a reconheceram do filme "Garganta profunda" deixaram ela com o marido e foram embora. Acharam que ela não merecia socorro.

Não digo que todos os homens sejam assim, mas que muitos são e que por isso a gente não pode dar muito mole. E nos últimos tempos os haters vem se mostrando sem medo nas redes sociais (o que mostra que o problema não é só da época da Lovelace) e é preciso combatê-los de algum jeito.

Outra coisa, sou muito grata à Lovelace, à Merilyn Monroe, às Runawyas, à Leila Diniz por terem lutado pelo nosso direito à liberdade sexual, mas acho que o momento agora é correr atrás da igualdade em outros setores da sociedade também, principalmente no tocante aos papéis sociais, para que a mulher não continue sendo sobrecarregada com a tripla jornada e para que paremos de ser educadas para ter gostos "femininos". Em outras palavras, para sermos o que QUISERMOS sem sofrer preconceito nas áreas que desejarmos entrar.

Até mais! Beijos da Aleska Lemos.

A Linda Lovelace de verdade

quarta-feira, 25 de março de 2015

Bc da Chica: "Botando a cabeça para funcionar nº6"

Bom, como ando querendo voltar a me socializar na blogosfera, resolvi topar o desafio da Chica no blog "Chica brinda de poesia". Confesso que adoro chuva, mas a imagem dessa vez está dando um bocado de trabalho, só consigo pensar no lampião de Nárnia e nos irmãos Pevensie atravessando o guarda roupado tio deles. Porém prometo tentar extrair a poesia do fundo da minha alma kkkk.

Antes, porém quero dar um aviso: andei ouvindo, aliás lendo, que várias pessoas andam aborrecendo o Coelhinho da Páscoa com pedidos de livros ao invés de Chocolate.  O pobre já está com hérnias na coluna de tanto carregar toneladas de chocolate pelo mundo inteiro e vocês ainda querem que ele carregue livros? Coitado dele, ficou tão estressado que sua amiga Coruja Literária resolveu ajudá-lo. Ela disse: "Coelho, deixa comigo, entregue os chocolates que eu me encarrego dos livros!"

Então ficou combinado que o Coelho faria sua entrega no dia 4 e a Coruja no dia 23, que é o dia internacional do livro e adivinhem só quem vai dar uma mãozinha para a coruja? Euzinha! Vou sortear um livro aqui no blog no dia 23 de abril e espero que você participe.  Quando eu tiver o banner da corujinha explico todas as regrinhas. Por enquanto vamos lá poetizar:



Aquela viagem parecia mais solitária quando começou o temporal. Ouvia apenas meus pensamentos e as emoções estagnadas enquanto a roda do ônibus provocava um maremoto nas poças lá fora.
Tudo parecia triste:as pessoas não conversavam, não sorriam e as plantas da paisagem emborcavam com o peso da água, mas eu sabia que quando o dia raiasse elas se abririam mais formosas do que nunca. O que eu não sabia era se eu sobreviveria à minha tempestade pessoal.

De repente vi luz do lado de fora. Foi muito rápido mas podia jurar que um homem com um lampião fazia sinal para mim, para que me aproximasse. Estampado em seu rosto, um sorriso sombrio me arrepiava e é tudo o que me lembro antes do acidente na estrada.

Pensando bem até que isso dava um bom início para um romance né?

Beijos da Alê!





domingo, 22 de março de 2015

O sorriso de Simon

Demonstrando interesse.
Comecei a assistir o "The X factor" por causa da minha mãe. Ela adora programas de shows e descoberta de novos talentos e acompanha sempre que pode. Quando termina uma temporada, ela fica matando a saudade com vídeos do Youtube.

Eu não gosto de acompanhar programas de tv. Sou ansiosa demais para esperar um capítulo novo a cada semana, mas como esses shows não são novela , assisto sempre que por acaso a tv está ligada no canal. No caso do X Factor, eu não gostava muito  a princípio, pois parecia que o talento apenas não era o essencial para vencer o programa, e eu vi muita gente ótima ser eliminada (como o Paul Akister) injustamente. Além disso tinha um jurado (aliás O jurado) que era escroto pra burro com os candidatos. Se ele achasse que você foi uma merda cantando ele vai querer expressar isso e vai até dizer que você não nasceu para cantar, dependendo do nível da merda que você fez.

Euzinha que sempre fui a favor dos eufemismos, pois acho que ninguém tem o direito de acabar com o sonho alheio, ficava extremamente chocada e às vezes morrendo de raiva do Simon. Afinal, como um produtor famoso a opinião dele tem muito valor para quem está se arriscando na música, e por isso pode fazer alguém simplesmente desistir do seu sonho.

O sorriso especial de Simon.
 Porém, aos poucos eu fui vendo o outro lado do Simon. Quando ele começa a ouvir um candidato, ele fica extremamente concentrado. Imagino que fica verificando a qualidade do som produzido, o alcance vocal, o estilo visual e é claro a comercialidade do cantor, mas o que tenho certeza é que quando essas categorias são satisfeitas, ele dá um sorriso satisfeito que vem lá do fundinho daquela alma estranha (risos) e posso afirmar que é uma coisa deliciosa de ver. Sempre me empolgo quando ele vai abrindo a boca e seus olhos brilham indicando "hum.. acho que encontrei ouro no meio do trigo" principalmente quando o candidato é um dos meus queridos.

Os outros jurados são meros figurantes, na minha opinião. Várias vezes eles ficam confusos, mudam de ideia, tomam esporro do Simon, eliminam quem não deveriam eliminar e deixam gente irritante e sem talento no lugar. Raras vezes a apreciação deles é tão sincera e espontânea, acho que ficam preocupados demais com o que a direção do programa vai pensar e tal. Já o Simon não precisa se preocupar com isso, afinal ele é o manda chuva kkk então suas opiniões sempre são seguras.

Entendi então que ele é simplesmente alguém que diz o que pensa e que está muito pouco preocupado com o que os outros pensam dele, e por isso fica meio antipático (ou muito), mas agora gosto dele. Vibro quando ele abre esse sorriso. Raras são as vezes que se mantém sério quando o candidato vai bem. Eu se tivesse algum dom para o canto respiraria de alívio quando visse aquele cantinho de boca se mexer.


                                                     Variações do sorriso especial:


compartilhando a felicidade com a jurada ao lado.

Você é a minha mina de ouro

Estou embevecido e quero que você saiba.

Mas talvez se eu cantasse não teria muita coragem de encarar Simon. Talvez eu preferisse me arriscar no "The Voice", porque a Cristina Aguilera é uma fofa e é claro tem o Pharrel e o Adam lá também e seria bem legal conhecê-los. É claro que se eu tivesse uma oportunidade apertaria a mão do Simon e pediria um autógrafo, mas sensível e relaxada como sou, não tentaria entrar no programa não kkkk e vocês gostariam de participar de um programa assim?

sexta-feira, 20 de março de 2015

Comidas Malucas.

Aqui em casa eu só cozinho quando ninguém mais está afim, ou quando estou sozinha em casa. Sei só o básico na cozinha: fritar um bife, fazer um arroz. fazer uma sopa, uma salada, macarrão e ovo (frito/omelete/cozido). Bom, talvez eu não seja tão básica assim na cozinha porque essa lista ficou meio grandinha e eu nem coloquei os doces que gosto de fazer (que na verdade são minha especialidade na cozinha, é só ver uma receita que eu faço direitinho), mas o fato é que não sou uma cozinheira de mão cheia.

Na verdade eu sou uma inventora culinária de sorte. Misturo os ingredientes na panela e acabo inventando gororobas maravilhosas (modéstia totalmente à parte), como esse  macarrão goela de pato aqui em cima. Enquanto a família enchia a pança no Bobs depois das compras de natal, eu fritei um alho nessa panela aí junto com cebola e linguiça. Deixei refogar com a tampa e depois de um tempo coloquei o macarrão já cozido e misturei bem com os ingredientes. Enquanto pegava um gostinho, achei um frango no freezer dentro de um molho e pensei "se eu colocar no macarrão deve ficar muito bom!" e foi o que fiz. Pena que foi uma quantidade enorme de macarrão que eu fiz e só tinha eu para comer (já viu que fiz uma orgia gastronômica né?). Mas foi bom que transformei um dia tedioso num dia saboroso.
arroz com queijo da Alê

Ah falando nisso, se tem uma coisa que me deixa bolada é comer a mesma comida todos os dias, tipo: arroz, feijão e frango. Chega um dia que você nem sente mais prazer em comer (o que apesar de ser positivo para sua dieta é um saco por causa do tédio), o que me irrita um pouco. Então, num dia desses que só tinha arroz integral em casa e eu tive preguiça de temperá-lo, fiz na água e sal mesmo e escorri. Depois coloquei tudo numa vasilha de vidro (um tal de pirex) joguei sal rosa (o arroz ficou sem sal depois de escorrido), misturei bem o arroz e depois joguei quadradinhos de queijo curado. Très magnifique, mon cher! Por mais estranho que pareça o arroz com queijo combinou perfeitamente com o feijão, dando um sabor temperado e suave ao mesmo tempo.Só precisou ser esquentado um pouquinho no microondas.

Está achando muito esquisita essa parada? Então senta na cadeira que vem mais uma bomba para você. Aqui em casa é tradicional no natal fazer docinho de castanhas. Isso e o pudim de sorvete são as nossas maiores tradições caseiras. Normalmente batemos as castanhas no liquidificador com leite condensado e gema de ovo e depois levamos ao fogo para dar ponto de brigadeiro. Quando temos saco, enrolamos e cavamos um espaço entre as cervejas e as carnes da ceia para congelar o docinho e deixá-lo no estilo bala ( estratégia para ficar mais tempo saboreando) quando não, e se tiver queijo em casa (como sempre minha solução tem a ver com queijo) dá para fingir que o docinho de castanha é doce de leite e coloca-lo em cima do queijo tipo assim:


Doce de castanhas com nozes da Alê.



Bom, eu adorei a mistura sabe? E o bom é que o docinho de castanha ainda é crocante ^^.
E você? Se arrisca na cozinha?




quinta-feira, 19 de março de 2015

Tag

Recebi essa tag da amiga Silvana Haddad e como me ajudou a pensar no que quero para meu blog esse ano, resolvi responder e publicar. A pesar de uma das regras dizer para indicar pelo menos 8 amigos, vou deixar livre porque acho que não tenho nenhum amigo com menos de 500 seguidores.




As regrinhas:

1 Responder as perguntas da TAG.
2. Convidar de 8 a 11 blogs com menos de 500 seguidores... de qualquer gênero (alimentação, arte, beleza...) para responder à tag.
3. Colocar o selinho da TAG ou criar uma
4. Citar o blog de origem da TAG (Blog Papo de Estrelas)
Linkar quem indicou. 

1. O que lhe incentivou a ter um Blogger?

 Já faz tanto tempo que nem sei mais a causa inicial. Acho que eu só precisava falar o que pensava, na época.

2. Qual a importância do Blogger para você?

O Blogger(blogspot) é o melhor serviço de blogs que conheço. Dá para seguir as pessoas, ver atualização delas e o editor de texto é de fácil utilização. Ele já foi muito importante na minha vida, porque era o canal onde eu me comunicava mais profundamente com outras pessoas. Onde eu me expressava mais facilmente. De uns tempos para cá meu elo com a blogosfera vem se reduzindo, mas amo tanto esse espaço e o layout que meu amigo fez pra mim que acho uma heresia pensar em deletá-lo.

3. Quem sempre lhe indica em várias ocasiões?

Não sei, não recebo muitas tags ultimamente. Ando antissocial kkkkk.

4. Qual o assunto do Blogger?

Meu blog é um diário pessoal. Essa denominação na verdade é usada para blogs que não tem compromissos com nenhum tema específico e isso é bom para mim, porque nunca fico muito tempo explorando um assunto só.

5. Como você se sentiu ao ter o primeiro comentário? 

Os primeiros comentários nem foram tão emocionantes assim. Quer dizer, eu pedia para os amigos comentarem qualquer coisa nos meus posts só para não me sentir no vácuo. Legal mesmo foi quando uma pessoa totalmente desconhecida comentou. Foi tipo assim: "uau! Um total estranho concordou comigo!".

6. Quantos comentários você tem em geral no momento?

Tenho 698. Tenho pouco mais de um ano  neste blog e fiquei um tempão ausente dele (uns 4 meses em média). Acho que o número elevado de comentários se deve às amizades que tinha feito no último blog que eu transferi para cá.

7. Qual a meta desse ano para o seu Blogger?

 A meta é retornar à blogosfera, fazer mais parceiros virtuais e divulgar meus trabalhos literários aqui.
8. Até onde você deseja chegar com o seu blog? 

"Ao infinito e além!" kkkkk até onde o destino me levar.

domingo, 15 de março de 2015

A esperança não pode morrer.

"Na dureza dos caminhos,
espinhos são encontrados;
certezas se partem,
E se sobrevive com muita arte.
As esperanças entram em colapso,
a fé vacila,
e muita merda se comete,
antes que se perceba
que por mais que gere dor,
são elas que nos mantém na labuta
que alimentam a perseverança
e que nos fazem chegar a algum lugar."
por Aleska Lemos.

sábado, 14 de março de 2015

Escrita Livre.

Você já fez teste vocacional? Quando eu estava na antiga oitava série (hoje nono ano, né isso?) minha escola chamou uma empresa para aplicar testes nos alunos que se interessassem. Foram uns 4 dias respondendo questionários enormes, fazendo atividades de grupo e conversas com psicólogas para no fim elas concluírem que eu servia para todas as coisas as quais demonstrei interesse, mesmo que alguns testes específicos dissessem o contrário.

Fiquei bem decepcionada com o resultado, principalmente porque ele me mandava ler mais para ter um vocabulário melhor, e eu era a menina que mais lia na minha classe.  Teve outras coisas piores que graças a Deus já me esqueci, mas desde então tenho meu pé atrás com esses testes psicológicos. No entanto, há alguns anos conheci o site Personare (eu devia ganhar por fazer tanta propaganda do site) e fiz um teste vocacional segundo os atros. Acredita que teve mais a ver comigo? Em certas partes me senti radiografada. Disse que por eu ter uma grande vontade de ajudar outras pessoas eu poderia ser assistente social, mas que também tinha capacidade para fazer pesquisa científica porque facilmente largo tudo de mão para completar meus objetivos. Essas duas coisas são quase essenciais em mim e o site descobriu sem nem ler minha autobiografia (como fizeram as psis). Há algumas viagens, #fato, como minha pseudo vocação militar, mas acerta também na minha habilidade para comunicação, para atividades artísticas e tchantcharantchan: A Muquiranice! Para quem não sabe muquirana é o mesmo que mão de vaca, o famoso pão duro. Não que numa emergência eu não seja capaz de dar o que tenho em prol de quem precisa, mas gosto de ter uma latinha para poder fazer algo especial.

Aliás, minha latinha está engordando nos últimos tempos para conhecer Minas Gerais. Alguém aí tem dicas de viagem? Gostaria de Conhecer Mariana, Tiradentes e Ouro Preto, principalmente museus e ruínas (serei uma menina de pouca criatividade? kkkk), mas confesso que ainda não pesquisei seriamente para ver os melhores lugares para visitar. Só sei que se esse ano eu não conhecer nenhum lugar novo eu vou pirar na batatinha, porque resolvi que esse ano quero partir numa jornada interior, e uma viagem seria a melhor oportunidade para isso porque se isolar das questões cotidianas ajuda muito a alcançar a paz interior.

Provavelmente você vai me mandar para uma igreja ou fazer meditação, mas acredite, religiões não são boas para mim. Alcançar a perfeição é uma meta muito ousada e eu me dou mal. Deixei de viver muitas coisas importantes por causa de religiões que segui, e meditação bem, até gosto de fazer de vez em quando mas nunca saio deste estado de consciência para um mais elevado, o máximo que consegui foi dormir durante uma tentativa. Acho que me sinto conectada com "meu eu superior" (como diriam alguns esotéricos) quando viajo, seja na solidão do meu quarto, seja no assento desconfortável de um ônibus ou mesmo num avião. É uma felicidade maluca que não sei bem como explicar, só sei que naquele momento da partida não invejo ninguém, eu me curto.

E você? Como e quando se sente em paz?

domingo, 8 de março de 2015

1º Antologia Literária do blog "A Menina das Ideias". Violência contra a mulher

Há quase um ano propus  aos parceiros deste blog escrever sobre "violência contra a mulher" para publicarmos em uma coletânea.  Acho que muitos se assustaram com o tema ou não souberam o que dizer, com a exceção de Marina Carla, Valquíria Paula, Juliana Cavalcanti, Rosélia Bezerra, Yassu Noguchi, Roberta Aline, Michele Lima que quase imediatamente toparam o desafio.

A intenção inicial era falar de vários tipos de violência contra a mulher. Desde sofrimento psicológico socialmente imposto (como os padrões de beleza) a espancamento e estupro, mas o grupo parecia combinar instintivamente que o tema seria mesmo a violência sexual então acabamos seguindo por essa via mesmo. O que tornou o trabalho mais enfático.

O meu conto chama-se "O Filho da Feminista" e abre o livro dando a minha visão de como as coisas deveriam ser. Em outras palavras, coloquei em Renan todas as características que um homem deveria ter para não ser machista. Acho que por isso vocês podem me acusar de idealista, (e realmente sou mesmo) mas acho que vale a pena ler para entender e discordar se for o caso. Além disso, acho que meu texto é leve, com pequena passagens humorísticas (ou que se pretendem  cômicas) e outras um pouco fofas que retratam bem a adolescência. E, seguida temos o conto da Juliana que também é uma divertida leitura, pois assim como os vídeos do "Porta dos Fundos", faz uma inversão de papéis para causar um estranhamento e levar à reflexão, além de ensinar muito sobre História.

Temos dois contos que falam sobre o "estupro Consentido" escritos por Michele e  Marina Carla, que acredito serem essenciais, pois o casamento não é uma concessão para a violência. Já passamos da época em que havia "os direitos do marido" de fazer sexo com a esposa quando lhe desse na telha e dos "deveres da esposa" de ceder aos impulsos do esposo. Ainda é uma questão polêmica, mas homem nenhum deve transformar sua esposa em objeto.

Acredito que temos um caso real de estupro descrito, mas não me lembro qual era. Só sei que a Valquíria e a Rosélia exploraram bem o drama da situação e a superação também. São três contos emocionantes que vão fazer você sentir empatia. Por ultimo, tem o lindo poema da Yassu Noguchi que passa uma mensagem bem forte. É quase como um tapa na cara de tão intenso.

É uma pena não termos publicado com uma editora, mas era tanta burocracia que nos deixou totalmente enroladas, então apelamos para o Wattpad, veja o link: 

Espero que nos ajudem a compartilhar o livro para que a mensagem chegue nas pessoas que precisam ouvi-la. E desejop a todas um feliz dia da mulher! Se voc~e é carioca vai ter uma atividade hoje na Quinta da Boa vista. Um grande beijo!

Alê Lemos.